Estar próximo do consumidor é uma tática de mercado que se torna cada vez mais obrigatória para a sobrevivência de uma marca. Entender no que o público acredita e o que ele busca – não somente nos produtos que consome, mas na sociedade –, são fatores que muitas empresas estão começando a analisar na hora de fechar um planejamento de marketing e comprar mídia.

As marcas estão, sim, abraçando causas graças a uma mudança no comportamento do consumidor, que hoje é muito mais consciente das suas obrigações e exige que suas marcas prediletas também estejam conscientes do seu papel. Mais do que isso, além de estarem cientes do seu impacto, precisam colaborar de alguma forma para mudanças efetivas no coletivo.

Abraçar uma pauta social é uma tarefa que necessita cautela. A causa escolhida deve contemplar os valores do negócio e estar de acordo com o que a empresa tem como missão, influenciando não apenas sua comunicação e visibilidade no mercado, mas o todo, como o modelo de negócio é pensado, contratação e tratamento dos funcionários, escolha de parceiros e relacionamento. É preciso entender se a causa trabalhada é algo com o qual a empresa se identifica, já que muito em breve a cobrança poderá aparecer de todos os lados.

Quando uma companhia decide levantar a bandeira de um determinado assunto, os consumidores que não abraçam a mesma causa podem escolher não mais comprar seus produtos. Por outro lado, a parcela do público que compactua com a causa é ainda mais fidelizada, o que é um tiro certeiro.

De acordo com pesquisa feita pela consultoria Edelman Earned Brand (2017), 56% dos consumidores brasileiros realizam compras motivados por causas que acreditam ser relevantes. Dentre os que confiam no posicionamento de uma marca, 22% estão dispostos a pagar até 25% a mais por um produto ou serviço, 53% recomendarão e defenderão a marca e 56% estão dispostos a se tornar consumidores leais.

Marketing de causa não é uma simples estratégia de marketing. Há a necessidade de um grande trabalho por parte da empresa, antes dela seguir por esse caminho, analisando se realmente ela tem esse mesmo posicionamento dentro dos seus valores ou como um posicionamento de mercado, caso contrário o consumidor irá enxergar essa empreitada apenas como oportunismo.