A inteligência de dados representa um grande passo na evolução da tecnologia e vai muito além de análises preditivas. A partir de sua ascensão, hoje temos a capacidade de criar, mudar e moldar o ambiente de negócios, tornando-o cada vez mais competitivo e alinhado às necessidades do mercado.

O uso de Big Data e Business Intelligence também traz maior eficiência financeira para as empresas, especialmente em períodos importantes e de maior movimento, como a Black Friday. Seis em cada dez consumidores pretendem realizar pelo menos uma compra na data, segundo uma pesquisa recente feita pela Social Miner em parceria com a MindMiners. O levantamento mostra, ainda, que mais da metade das pessoas já está de olho nos preços, acompanhando ofertas regularmente.

Quer extrair o máximo desta Black Friday? Confira, a seguir, sete dicas para construir uma inteligência de dados voltada para a performance e para alavancar as vendas!

  1. Check de mensuração

Para começar, é necessário listar os principais dados que serão monitorados. Com o aumento do orçamento investido em mídia digital e móvel, as métricas tornaram-se a chave para provar a efetividade de uma campanha. Além do tráfego, das impressões, dos cliques, da bounce rate, do Custo por Aquisição (CPA) e do Retorno sobre Investimento (ROI), com o advento das tecnologias de geolocalização, é possível realizar a precificação sobre o volume de visitas geradas.

  1. Check de capacidade de volume de usuários no site

É preciso ter certeza de que a infraestrutura está adequada para dar suporte ao volume de usuários que vão visitar o site. Não adianta investir em uma ótima campanha para a Black Friday se o seu principal ponto de contato com o consumidor não tiver capacidade suficiente para atender o volume de usuários. Certifique-se, com o seu time técnico, de que você possui um plano preparado, com toda a estrutura e estabilidade para receber o número estimado de visitantes.

  1. Mapeamento de Dados

Qualquer operação hoje deve ser guiada por dados. A quantidade e, principalmente, a qualidade dos dados possíveis para gerenciar estrategicamente os negócios é impressionante. Porém, tudo depende da capacidade de análise. A inteligência tática depende da análise precisa de vastas quantidades de informação para ser eficiente. Ser data-driven é um pré-requisito para tomar decisões assertivas no menor tempo possível e, assim, superar a concorrência. Observar os dados históricos da última Black Friday pode ser uma boa fonte de informação estratégica para prever e planejar melhorias para esta e para as próximas edições da megaliquidação.

  1. Clusterização de Audiência

A clusterização é a técnica que permite a identificação de particularidades nos hábitos de consumo, facilitando ações de engajamento do público-alvo e o consequente aumento das vendas. Ao fazer o planejamento estratégico, é fundamental segmentar além do tradicional, levando em conta uma divisão baseada no comportamento dos usuários. As informações são, então, organizadas em grupos chamados “clusters”, que permitem uma visão ampliada do mercado. Por meio da tecnologia disponível, é possível determinar, com muita segurança, quais são suas fontes de receita recorrente, quem são os clientes com maior potencial de compra, quais são os consumidores que não voltarão a comprar de você e como contornar qualquer situação negativa para aumentar sua taxa de conversão. A clusterização tem um papel fundamental na identificação exata de qual etapa de funil o usuário se encontra, além da economia de investimento de mídia que pode ser gerada.  

  1. Comunicação personalizada com base em comportamento

Após a etapa de mapeamento de dados de edições anteriores da Black Friday e a identificação de especificidades do costume de compras por meio da clusterização, é hora de conversar com a sua audiência. Munido de insights sobre o comportamento de consumo do seu público-alvo, é possível conhecer quem são esses usuários e como conversar com eles da maneira esperada. Neste passo, o conteúdo personalizado é primordial e pode ser determinante na venda. Para desenvolver uma poderosa argumentação customizada, voltada a um perfil específico, é preciso criar um storytelling relevante baseado nas últimas interações do usuário. Uma boa história se apropria de técnicas narrativas para informar consumidores sobre produtos e serviços disponíveis e, principalmente, da atração de leads. Para estabelecer uma comunicação personalizada, é essencial estar sempre atento aos dados relacionados à jornada de compra e ao comportamento do consumidor.

  1. Acompanhamento Real-time

Acompanhar a repercussão da campanha é fundamental. Afinal de contas, é por meio desse rastreamento que você fica sabendo se a estratégia implementada surtiu o efeito desejado ou não e como corrigir a rota. Esse monitoramento envolve desde a coleta de dados postados em redes sociais até informações de usuários, como tendências pessoais e histórico de gastos. Ferramentas de pesquisas de palavras-chave, como o Google AdWords, proporcionam insights valiosos sobre os termos mais procurados em diferentes momentos. É esse tipo de conhecimento que proporciona a criação de conteúdos atraentes, otimizados para mecanismos de busca, o Search Engine Optimization (SEO). O acompanhamento em tempo real da campanha e dos resultados, bem como a consolidação e o compartilhamento dessas informações com as demais equipes para tomar decisões podem ser críticos durante a Black Friday. Somente por meio desse monitoramento real-time é que será possível tomar decisões mais assertivas e eficazes. Os dados são aliados indispensáveis para qualquer intervenção ou mudança de rota que se faça necessária. É preciso captar e analisar informações da forma mais rápida possível.

  1. Insights para o planejamento dos próximos meses

Enquanto a Black Friday acaba, o trabalho continua. A consolidação das informações geradas durante o evento é de suma importância, especialmente para as próximas edições da megaliquidação. Somente a partir da estruturação e da análise dos dados capturados é que se torna viável trazer respostas a questões críticas na tomada de decisões que irá ditar os rumos do seu negócio.

Não basta colher e armazenar grandes volumes de dados. Embora o monitoramento minucioso de KPIs seja crucial para a geração de conhecimento de mercado, a capacidade de associação e interpretação de fragmentos de dados relevantes em meio a um oceano de informações é o que define a própria inteligência de dados. A compreensão desta dinâmica representa, cada vez mais, a diferença entre o sucesso e o fiasco no comércio eletrônico, principalmente em datas tão importantes quanto a Black Friday.

* Helen Modesto é Head de Data Intelligence da NewBlue